Generosidade – Assunto recorrente

Há quem diga que a versão bíblica “A Mensagem” não é boa, eu particularmente sempre li e leio algumas versões como Atualizada, NVI, NTLH e há algum tempo inclui A Mensagem. Acho fantástica a maneira que a linguagem comunica com os dias de hoje. Como o próprio Eugene Peterson diz, essa é uma Bíblia de leitura e eu concordo.

Mas quantas coisas preciosas tenho aprendido com essa linguagem no meu dia a dia. Percebi por exemplo que Jesus fala muito sobre generosidade e já escrevi algumas vezes sobre isso, baseado no livro de Lucas. Agora quero compartilhar as vezes que somos ensinados sobre generosidade em Mateus, especificamente nos capítulos que chamamos “Sermão do Monte”.

Mateus 5:13-16: texto fala sobre sermos sal da terra e luz do mundo. No fim do texto, no versículos 16 a generosidade aparece no versículo 16 quando somos orientados a manter nossa casa aberta e compartilhar o que temos e principalmente sermos acessíveis.

” Agora que estão no alto do morro, onde todos conseguem enxergá-los, tratem de brilhar! Mantenham sua casa aberta. Que a generosidade seja a marca da vida de vocês. Mostrando-se acessíveis aos outros, vocês motivarão as pessoas a se aproximar de Deus, o generoso Pai do céu”. (Mateus 5:15-16 A Mensagem)

Mateus 5:38-48: sobre amar os inimigos. Não pagar com a mesma moeda, usar a generosidade para dar o que não merecem.

“Vocês conhecem a antiga lei: Amem seus amigos’, e seu complemento não escrito: ‘Odeiem seus inimigos’. Quero redefinir isso. Digo que vocês devem amar os inimigos. Deixem que tirem o melhor de vocês, não o pior.” (Mateus 5:42 A Mensagem)

“Se tudo que vocês fazem é amar apenas quem é amável, que recompensa esperam receber? Qualquer um pode fazer isso. Querem uma medalha por cumprimentar apenas os que são simpáticos com vocês? Qualquer pecador desqualificado age assim. “Resumindo, o que quero dizer é: cresçam) Vocês são súditos do Reino; tratem de viver como tais. Assumam sua identidade, criada por Deus. Sejam generosos uns para com os outros, pois Deus age assim com vocês”. (Mateus 5:47-48)

Mateus 6:1-4: Sobre fazer o bem. Ser generoso sem chamar a atenção para si, porque generosidade não é sobre você!

“Quando fizerem o bem, tenham o cuidado para que seu gesto não vire peça de teatro. Pode até ser um bom espetáculo, mas Deus não vai aplaudir. Quando for ajudar alguém, não chame atenção para você mesmo. Você já viu gente assim em ação, tenho certeza — eu os chamo atores’. Eles vão orar nas esquinas, como se elas fossem palcos, atuando para o público, interpretando para as multidões. Eles recebem aplausos, sim, mas é tudo que conseguirão. Quando você ajudar alguém, não pense na impressão que vai causar. Apenas ajude — com simplicidade e discrição. É assim que Deus, que o criou com todo amor, faz. Ele age nos bastidores para ajudar você” (Mateus 6:1-4 A Mensagem)

Mateus 6:19-34: Sobre não se preocupar com o amanhã. Jesus aconselha a não acumularmos tesouros, ao invés disso ele diz:

“Se Deus dá tanta atenção à aparência das flores do campo — e muitas delas nem mesmo são vistas —, não acham que ele irá cuidar de vocês, ter prazer em vocês e fazer o melhor por vocês? Quero convencê-los a relaxar, a não se preocuparem tanto em adquirir. Em vez disso, prefiram dar, correspondendo, assim, ao cuidado de Deus. Quem não conhece Deus e não sabe como ele trabalha é que se prende a essas coisas, mas vocês conhecem Deus e sabem como ele trabalha. Orientem sua vida de acordo com a realidade, a iniciativa e a provisão de Deus. Não se preocupem com as perdas, e descobrirão que todas as suas necessidades serão satisfeitas.” (Mateus 6:29b-33 A Mensagem) – grifado por mim.

Já percebi que generosidade é uma das pilastras da vida cristã porque ela diz respeito ao outro, ao cuidado com o outro, ao amor ao próximo. Creio que seja uma das maneiras que Deus se manifesta através da nossa vida.

Seja generoso em todos os níveis da sua vida e a promessa que Jesus deixa é que Deus cuidará de cada necessidade que tivermos e isso não tem a ver com dinheiro e sim com vida plena.

Espero que fale com você assim como tem falado comigo.

 

Advertisements

Eclesiastes – sabedoria

“Para tudo há uma ocasião, e um tempo para cada propósito debaixo do céu:
tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou,
tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir,
tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar,
tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las, tempo de abraçar e tempo de se conter,
tempo de procurar e tempo de desistir, tempo de guardar e tempo de lançar fora,
tempo de rasgar e tempo de costurar, tempo de calar e tempo de falar,
tempo de amar e tempo de odiar, tempo de lutar e tempo de viver em paz.”
Eclesiastes 3:1-8

Para tudo há uma ocasião!

“Melhor é ter um punhado com tranqüilidade do que dois punhados à custa de muito esforço e de correr atrás do vento.”
Eclesiastes 4:6

Porque no fim das contas o que importa é não correr atrás do vento.

Termino com o versículo que nos traz discernimento sobre toda a vida.

“Buscai pois em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiças e as demais coisas vos serão acrescentadas”

Prossigo buscando o Reino de Deus e esperando em fé que as demais coisas me sejam acrescentadas.

Sobre chegar atrasado e sentar na janelinha

Hoje o texto de 2 Samuel 6:12-16 chamou minha atenção por que fala sobre pegar o bonde andando e sentar na janelinha.

Esse capítulo fala sobre o dia que Davi buscou a arca da aliança para ficar na “cidade de Davi”, acontece que eles tiveram um imprevisto no meio do caminho e a arca acabou ficando na casa de uma outra pessoa, que segundo a narrativa, foi muitoooo abençoado. Davi sabendo disso, foi buscar a arca para ficar no lugar que ele tinha em mente e aqui começa a narrativa que chamou minha atenção.

Diz que Davi foi buscar essa arca com todo o entusiasmo e festa, o povo que o seguia também davam gritos de alegria ao som de trombetas. Davi pulava e dançava na presença do Eterno. Mical que era uma das esposas de Davi foi acompanhar a chegada da arca pela janela e ficou irritada com a dança e a alegria de Davi.

Quando chegou no lugar designado, Davi adorou a Deus e fez ofertas de paz, em seguida abençoou o povo e foi pra casa para abençoar sua família.

Acontece que antes mesmo dele fazer isso Mical passou um “sabão” em Davi por seu comportamento na frente do povo. E Davi respondeu “Na presença do Eterno, eu danço quanto quiser! Foi ele e não seu pai que me escolheu para ser rei e não há dúvida de que vou dançar para sua Glória”.

Já disse muitas vezes, não tem como não se alegrar na presença do Eterno, não tem como ser o mesmo! A alegria e a expressão corporal, verbal e de adoração fazem parte desse “estar na presença”. Mas muitas vezes somos Mical, decidimos “esperar a arca chegar” e quando ela chega, ao invés de celebrarmos com o povo, reclamamos do comportamento de quem está na presença do Senhor. Fazemos padrões do que é ou não aceito na presença do Deus Todo poderoso.

Quero fazer parte do povo que celebra e não do que assiste e critica e você? Chegar atrasado e sentar na janelinha não dá.

Um outro ponto sobre a mesma frase

Uma frase me chamou a atenção enquanto preparava um estudo: Deus que é o criador de tudo pode determinar o que é moralmente correto e tem a liberdade de estabelecer limites para nossa conduta  e isso choca nossa cultura arrogante.

Bom, isso me levou a várias vertentes de raciocínio, o primeiro é que quando sabemos o que Deus espera e fazemos o contrário, estamos dizendo “o que eu acho é muito melhor do que o que Deus acha” e isso explica o fim da frase “cultura arrogante”. Mas também me levou a outro pensamento, esse Deus criador, é Santo.

A sociedade se espelha muito nas referências palpáveis para dizer quem Deus é e como ele se comporta. Na minha geração, por exemplo, temíamos a Deus, no sentido de ter medo/pavor porque tínhamos pais rígidos e muitas vezes autoritários e isso nos levava a ver Deus como um carrasco. Textos eram usados para nos assustar e justificar essa visão. Por outro lado, hoje temos pessoas permissivas, onde a moral é relativa, certo e errado depende de ponto de vista e como pais somos mais como coleguinhas de escola do que alguém que de fato coloca na boca do caminho (provérbios 22:6 – “Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo com o passar dos anos não se desviará deles”).

Mas o fato é que Deus não é nem nosso amiguinho de escola, nem o barbudo carrasco. Ele é o criador do universo, que através da maneira como se relaciona com seu povo, mostra seu caráter. Ele é amor porque desde o princípio se movimentou para que houvesse um relacionamento entre seu povo e seu Deus. Ele é santo.

Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre.

Sobre Mulheres

Sou uma pessoa bem reflexiva e no que diz respeito a alguns assuntos, sou mais ainda. Talvez porque me incomoda a mentalidade que pensamos não ter, mas que temos!

Escutei numa palestra que nosso cérebro é como um iceberg, onde o consciente é aquela parte pequenina e o subconsciente a parte grandona, escondida. O fato é que muitas vezes agimos e reagimos de acordo com a parte escondida. E quanta coisa há ali hein! Normalmente nossas ações dizem aquilo que a gente acha que NÃO pensa.

Quem me conhece sabe que um dos temas que me incomoda é “mulher”, me incomoda tanto que já disse que deveria ter nascido de cueca e não calcinha kkkkkk Isso não tem nada a ver com um desejo oculto de ser homem, mas com um desejo de ser ouvida e ser “relevante” como um homem. Me incomoda mais porque, como igreja, agimos para reforçar como há desigualdade entre homens e mulheres, falamos que pensamos ser iguais, mas agimos de forma contrária. Temos discursos que “provam” essa desigualdade, reafirmamos a maldição de Eva: “…. você vai querer agradar seu marido, mas ele governará você”(Gênesis 2:16b) Ou seja, tratamos a mulher como uma categoria secundária. Mulher é ouvida de faz de conta, pensamos que mulher é boa apenas na cozinha e com crianças. Mas peraí, em Jesus todas essas maldições e toda a separação não foram colocadas na cruz????? A resposta é sim e deveríamos viver como pessoas livres que manifestam o que Jesus nos trouxe. Afinal, Paulo disse que não havia mais categoria escravo/livre, homem/mulher. Isso nos coloca em igualdade.

Como igreja deveríamos ser exemplo para a sociedade de como tratar uma mulher, exemplo de como não subjugar, exemplo de como utilizar o que ela tem que COMPLETA o homem.

Uma chave sem fechadura não tem utilidade, ou pelo menos não se obtém o que ela foi criada para, seu papel não será completo sem a fechadura. O mesmo serve para o homem, ele nunca obterá seu máximo sozinho, ele precisa, se quiser ser o máximo, do que a mulher tem a oferecer (e não to falando sobre cozinha, crianças e lavar cuecas). Homem precisa da visão sensível da mulher, precisa da sua habilidade de pensar e fazer várias coisas ao mesmo tempo, precisa da sua sabedoria, do seu desprendimento, da sua reflexão, entre outras qualidades.

Homens, vocês não tomam melhores decisões e nem são melhores porque são focados. Mulheres, não somos melhores ou temos melhores soluções porque pensamos em mil coisas ao mesmo tempo. Somos iguais e contribuímos quando trabalhamos juntos!

Igreja, vamos acordar e ser o reflexo de Jesus na terra e ser de fato algo em que a sociedade possa se inspirar!

Textos que me inspiraram essa manhã: (os grifos são meus)

“O mesmo vale para vocês, esposas: sejam boas esposas, cada uma para o seu marido, atentas às necessidades deles. Há maridos que, mesmo indiferentes à Palavra de Deus, poderão ser cativados pela vida da beleza santa de vocês. O que importa não é a aparência exterior — o estilo do cabelo, as joias, o corte da roupa —, mas sim sua atitude interior.

Cultivem a beleza interior, do tipo gracioso e gentil que agrada a Deus. As mulheres santas de antigamente eram lindas na presença de Deus desse modo e eram boas e leais aos maridos. Sara, por exemplo, tratava Abraão como “meu querido marido”. Vocês serão verdadeiras filhas de Sara se fizerem o mesmo, sem ansiedade e sem acanhamento

O mesmo vale para vocês, maridos: sejam bons maridos, cada um para a sua esposa. Não deixem de honrá-las nem de se alegrar com elas. Sendo mulheres, elas não têm alguns dos privilégios de vocês. Mas na nova vida sob a graça de Deus vocês são iguais. Portanto, tratem a esposa iguais a vocês, para que suas orações não sejam daquelas que nem passam do teto.” (1Pedro 3:4-7 A Mensagem)

“Fico feliz por saber que vocês continuam a se lembrar de mim e a me honrar, guardando as tradições da fé que ensinei. Toda autoridade verdadeira vem de Cristo. 

No relacionamento conjugal, existe autoridade da parte de Cristo para o marido e da parte do marido para a esposa. A autoridade de Cristo é a autoridade de Deus. Qualquer homem que fala com Deus ou sobre Deus sem respeito pela autoridade de Cristo está desonrando o Senhor. E a esposa que fala com Deus sem respeito para com a autoridade do marido está desonrando seu marido. Pior ainda, está desonrando a si mesma — uma cena lamentável. É como se estivesse com a cabeça rapada. Essa é a origem do costume de a mulher cobrir a cabeça no culto, enquanto o homem tira o chapéu. Com esses atos simbólicos, homens e mulheres, que muitas vezes batem de frente um como outro, submetem sua “cabeça” ao Cabeça: Deus.

A propósito, não valorizem demais as diferenças entre homem e mulher. Nem o homem nem a mulher podem caminhar sozinhos ou reivindicar prioridade. ” (1Coríntios 11:1-10 A Mensagem) 

 

Vulnerabilidade

Vivo numa sociedade cheia de opiniões. A maioria “sabe” o que é melhor pra ela, para o Joaquim, para a Maria, para o João e para todo o planeta. Opiniões, opiniões e mais opiniões. Nossa, cansei de tanta opinião hahahahaha.

Mas no que diz respeito a cidadania que sirvo (cidadania do céu), só existe uma opinião e a opinião é essa “Deus que é o criador de tudo pode determinar o que é moralmente correto e tem a liberdade de estabelecer limites para nossa conduta  e isso choca nossa cultura arrogante”. Enquanto nos debatemos e nos matamos por opiniões, Jesus fala:

“Abençoados são vocês, quando nada têm para oferecer. Quando vocês saem de cena, há mais de Deus e do seu governo”

“Abençoados são vocês, quando sentem fome de verdade. Ele é comida e bebida – é alimento incomparável”

“Abençoados são vocês, que sofrem por terem perdido o que mais amavam. Só assim poderão ser abraçados por aquele que é a fonte de toda a alegria”

(Mateus 6:20-21)

Depois de anos, Paulo diz “Como resumir tudo isso? Todos os que não pareciam interessados no que Deus estava fazendo, na verdade abraçaram o que Deus fazia quando ele endireitou a vida deles. E Israel, que parecia tão interessado em ler e falar sobre o que Deus estava fazendo, distanciou-se de Deus. Como puderam se distanciar? Porque em vez de confiar em Deus, eles assumiram o controle. Estavam envolvidos no que eles mesmos faziam, tão envolvidos nos seus “projetos de Deus” que não perceberam Deus à sua frente, como uma pedra no meio da estrada” (Romanos 9:30-32)

O que eu tenho aprendido sobre tudo isso? Opinião não nos leva a caminhos direitos, religião traça um caminho paralelo e nos distancia de Deus.

Vulnerabilidade e disponibilidade nos leva a conhecer e experimentar o Criador de Todas as coisas, o Todo-Poderoso. Não encontramos Deus em nossa arrogância ou na nossa lista de opiniões, encontramos Deus em nossa vulnerabilidade, quando ninguém mais pode dar resposta.

Meus encontros mais profundos foram em meio ao caos, não que seja legal o caos, mas ele nos coloca num nível de abertura surpreendente. Encontrei Jesus nos momentos mais difíceis e hoje desfruto de sua companhia. Não vivo mais no caos, mas vivo com aquele que me encontrou no caos.

Santo? Como assim?

Uma nota sobre meus escritos, primeiro tem a ver comigo, depois reflito e reparto com vocês. Dito isso, vamos ao que realmente interessa kkkkk.

Como sempre, sou impelida a pensar num determinado tema por determinado tempo. Por que? Não sei, talvez eu seja um pouco lenta para compreender as coisas 🙂 Há umas 2 semanas, I guess, tenho refletido sobre a santidade e majestade de Deus. Li um texto que dizia que quando Moisés foi preparar o povo pra encontrar com Deus, uma das recomendações era não tocar no “pé” do monte, do contrário, seriam fuminados. Sabem o que é isso? Ser morto por não ser digno de tocar o mesmo monte que o Todo-Poderoso está? Outra passagem, e esta está em Isaías 6:1-7, diz que Isaías viu o Senhor na sala do trono e seu manto cobria toda a sala, em cima tinham 6 querubins com 6 asas cada um, onde 2 asas cobriam o rosto, 2 cobriam os pés e 2 os mantinham voando, eles cantavam “Santo, Santo, Santo é o Senhor Todo-Poderoso; a sua presença gloriosa enche o mundo inteiro”. Isaías ficou tão chocado que falou “ai de mim! Estou perdido! Pois os meus lábios são impuros. E com meus próprios olhos vi o Rei, o Senhor Todo-Poderoso!”. Depois disso, um dos Serafins tocou o lábio de Isaías com uma tenaz (uma brasa) e disse “agora que esta brasa tocou os seus lábios, as suas culpas estão tiradas, e os seus pecados estão perdoados”. Enfim, esse texto rodeou minha mente até ontem. Quando estava adorando a Deus, comecei a declarar sua santidade e me perguntar sobre a magnitude desse Deus e como era possível termos acesso a algo tão grande e poderoso. Nessa momento de adoração e oração e contrição, tive uma visão (pelo menos é assim que chamo quando uma imagem me aparece do nada na mente).

Enquanto imaginava essa sala do trono, com o Deus Todo-Poderoso, com seu manto cobrindo todo aquele espaço físico, vi uma quantidade de sangue que escorria do trono e se espalhava pela sala. Era muito sangue porque o chão ficou todo vermelho. Perguntei pra Deus o que aquilo significava e o que escutei (chamo assim quando a resposta pra minha pergunta aparece em minha mente) foi: “Esse é o sangue do cordeiro, Jesus, o sacrifício vivo, com seu sangue aqueles que foram lavados recebem o mesmo benefício que Isaías teve quando foi tocado pela tenaz, ou seja, “as suas culpas estão tiradas, e os seus pecados estão perdoados”. Jesus, que está sentado a direita de Deus nos recebe através do seu sangue. Não tem outra maneira. Isso nos possibilita cantar com os anjos “SANTO, SANTO, SANTO É O SENHOR TODO-PODEROSO”.

Me arrepia! O Deus do monte Sinai desceu e conviveu entre nós, temos acesso ao Pai através do seu sangue, sangue que nos identifica, sangue que nos limpa e que nos dá um novo começo, uma nova vida, um novo espírito.