Sobre o Reino de Deus

Faz semanas que gostaria de escrever algo, mas não estava conseguindo sentar pra isso. Ainda bem, porque estava num processo de aprender na prática como funciona o Reino de Deus. Estava num processo de saber que uma vez que me entrego 100% nesse Reino, ele cria conexões, oportunidades que permitem viver e expressar esse Reino para qual fui chamada a viver.

Hoje, lendo Mateus 20 observei que Jesus fala sobre uma característica do Reino de Deus fazendo um contraponto com o Reino dos homens. Ele diz que os governantes das nações e poderosos dominam sobre o povo e pessoas e que no reino de Deus, aqueles que querem ser importantes ou que são importantes devem ser servos, porque foi o que Jesus fez, veio, serviu e ainda deu a vida por muitos. Em Mateus 25 ele também adverte sobre servir os pequeninos (aqui ele não está falando de crianças e sim dos que necessitam) como se estivesse fazendo pra ele próprio.

Enfim, não vai dar pra escrever tudo o que tenho aprendido sobre a dinâmica do Reino, mas quero falar sobre uma experiência que tive hoje e que expressa, o que acredito ser, conexões do reino para que os pequeninos sejam alcançados.

Resolvi fazer um limpa no meu ateliê, e quando isso acontece, muitas coisas vão pro lixo, outras são reutilizadas e outras doadas. Dentro dessas coisas doadas ofereci, na internet, retalhos de tecido. Num curto espaço de tempo, três pessoas me escreveram, dei preferência para a primeira, que não deu certo. Combinei com a segunda pessoa pra pegar em casa às 14h, ela teve um contra tempo e me ofereci para levar os tecidos em sua casa. Fui até lá! Pra minha surpresa os tecidos seriam utilizados para fazer colcha e coberta para pessoas que não tem como comprar. Fiquei tão feliz! Logo me veio em mente, isso são conexões do Reino. Uma vez que nos colocamos disponíveis para sermos usados como instrumento de expansão, Deus leva isso a sério e pessoas que nunca imaginaria conhecer, conheço, pessoas que nunca pensaria atingir, atinjo. Muitas coisas aconteceram nesse pequeno espaço de tempo entre resolver doar e efetivar a doação, primeiro a empatia imediata com a segunda pessoa interessada, o fato do carro dela quebrar e não poder vir até mim, eu mesma decidir levar depois de ter cogitado enviar meu filho. Uma apreensão sobre qual o destino de um descarte que pra mim era inútil, mas que sabia ser útil.

Talvez você esteja lendo e achando tudo isso uma feliz coincidência, mas para aqueles que decidem viver sua vida num Reino de paz, abundância e amor, coincidências não existem.

Que Deus abençoe abundantemente essa mulher e sua avó pelo trabalho que fazem.

Quanto a mim, que Deus continue me dando conexões do seu reino para que muitos sejam servidos através da minha vida. Estou feliz por ter saído de casa e ter encontrado pessoas referência de generosidade e amor ao próximo.

Deus é bom!

Perspectiva

Hoje ouvi um pequeno trecho de uma entrevista com o Todd White que explica exatamente a perspectiva que enxergo.

A cruz não é a revelação do meu pecado, mas a revelação do meu valor. Só se paga um alto preço por algo que se tem valor. Exemplo, não pagamos 300 mil por um corte de cabelo, mas pagamos por um apartamento. Ou seja, o pagamento revela o valor de algo. Se Jesus teve que pagar um preço tão alto, é porque o meu valor é alto. Deus me quer e Ele escolheu o meu valor!

Por isso declaro o Salmo 18 de Davi como se fosse meu:

“O Senhor é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador; o meu Deus é o meu rochedo, em quem me refugio. Ele é o meu escudo e o poder que me salva, a minha torre alta”

Boca fechada não entra mosquito

Muitas coisas aprendemos em provérbios e se formos espertos, observamos nossos pontos de gargalo e meditamos como sábios ao invés de tolos.

Sempre fui bocuda e queixo duro, do tipo que não leva desaforo pra casa. Com a desculpa de dizer a verdade, ofendia. Aí vocês podem pensar: “verdade é verdade” e eu digo “VERDADE” (risos), mas a duras penas e muitas vezes com o coração ofendido tenho aprendido que nem toda verdade é pra ser dita ou precisa ser dita, aprendi também que a verdade dita no momento certo tem mais efetividade do que a verdade fora de hora.

Salomão diz assim no livro de Provérbios:

“A palavra proferida no tempo certo é como frutas de ouro incrustadas numa escultura de prata. Como brinco de ouro e enfeite de ouro fino é a repreensão dada com sabedoria a quem se dispõe a ouvir” (Pv 25:11-12)

Outra coisa que tenho aprendido é que a verdade dita em amor e não no solavanco derruba muros ao invés de erguer. Com o tempo percebi que a maneira como comunicava erguia muros tão altos entre mim e quem estava ouvindo que nem metade da conversa chegava aos ouvidos, batia e voltava. E isso também aprendi com Salomão.

“Com muita paciência pode-se converter a autoridade, e a língua branda quebra até os ossos” (Pv 25:15)

E por último, percebi que tudo isso depende de uma única coisa, que aliás é difícil pra caramba, o DOMÍNIO PRÓPRIO. Dominar-se é uma arte e está ligado a todo o nosso corpo, principalmente a língua.

Essa tem sido uma caminhada de exercícios duros. Sempre acerto? Óbvio que não, mas com a graça de Jesus, levanto e ao invés de lamentar, sigo buscando derrubar muros ao invés de ergue-los.

“Como a cidade com seus muros derrubados, assim é quem não sabe dominar-se” (Pv 25:28)

Na dúvida tenha em mente que BOCA FECHADA NÃO ENTRA MOSQUITO

Cristo vive em mim

Marcos 8:33-38

“Aí Jesus chamou a multidão e os discípulos e disse:

— Se alguém quer ser meu seguidor, que esqueça os seus próprios interesses, esteja pronto para morrer como eu vou morrer e me acompanhe. 35 Pois quem põe os seus próprios interesses em primeiro lugar nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo por minha causa e por causa do evangelho terá a vida verdadeira.36 O que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, mas perder a vida verdadeira? 37 Pois não há nada que poderá pagar para ter de volta essa vida. 38 Portanto, se nesta época de incredulidade e maldade alguém tiver vergonha de mim e dos meus ensinamentos, então o Filho do Homem, quando vier na glória do seu Pai com os santos anjos, também terá vergonha dessa pessoa.”

Enquanto conversava com uma pessoa sobre o texto de Marcos 8, pensei como poderia explicar o que significa viver uma vida em Cristo. But first things first, como cristã creio que quando temos um encontro com Jesus as coisas não ficam mais as mesmas, recebemos o Espírito Santo e esse nos capacita a uma nova vida.

Explico assim, imagine que você, por algum motivo, precisou receber uma nova identidade. Já assistiu filmes em que o FBI arruma uma nova identidade para quem precisa ser protegido? Pois é, imagina que você é essa pessoa que recebe tudo novo, uma identidade nova, uma genealogia nova, um lugar novo, uma história nova. Aí eles te proíbem de ter contato com qualquer pessoa ou coisa que te remeta a vida antiga, porque isso pode causar a sua morte. Quem tem que morrer é a vida antiga e não você, essa é a ideia quando alguém recebe proteção.

Com Jesus é a mesma coisa, quando morremos para nós e nascemos para ele, ou seja, quando decidimos ser seus seguidores, significa que viveremos a vida dele, morremos para o pecado e ressuscitamos para a vida. Quando recebemos sua vida, recebemos uma nova identidade, uma nova vida, uma nova filiação, a nossa vida antiga não deve exercer, ou pelo menos não deveria exercer, nenhuma influência sobre nós. Vemos isso no texto de Romanos 6:

“4Assim, quando fomos batizados, fomos sepultados com ele por termos morrido junto com ele. E isso para que, assim como Cristo foi ressuscitado pelo poder glorioso do Pai, assim também nós vivamos uma vida nova. 5Pois, se fomos unidos com ele por uma morte igual à dele, assim também seremos unidos com ele por uma ressurreição igual à dele. 6Pois sabemos que a nossa velha natureza pecadora já foi morta com Cristo na cruz a fim de que o nosso eu pecador fosse morto, e assim não sejamos mais escravos do pecado. 7Pois quem morre fica livre do poder do pecado.” (grifo meu!)

Portanto, se você recebeu uma nova vida, mas vive em função da sua velha vida, algo está errado, muito errado. Devemos buscar a vida e não a morte, buscamos vida quando buscamos Jesus, buscamos a morte quando buscamos satisfazer os nossos próprios desejos. Nossa natureza não é mais o pecado, mas sim a vida, porque Cristo é quem vive em nós, então porque viver em função do eu pecador e não da aliança com Cristo?

Faça a pergunta a si mesmo, quanto tenho visitado minha velha natureza, o quanto isso tem exercido força na minha vida? Peça para que o Espírito Santo se revele a você e que na graça concedida a nós, você receba a liberdade pela qual Jesus te libertou e viva pela vida que ele te deu.