Uma pequena nota sobre o nascer do sol

Isso foi em 5 de novembro de 2017 (só para constar)

Salmos 19:1 “Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos”

Tenho descoberto que sou uma pessoa que processa internamente e que tem prazer em contemplar, o que faz muito sentido levando em consideração minha primeira colocação. Também sou visual, ou seja, o que vejo, harmonias de cores, formas e texturas importam pra mim.

Sem dúvida a natureza é um tipo de visual que me leva a contemplação a Deus porque me deixa maravilhada. Quanto bom gosto!

Quando era criança, costumávamos fazer dois tipos de viagens anuais, uma pra praia e outra para visitar parentes em São Bernardo. Pra passar o tempo dentro do carro (crianças ficam entediadas rapidamente) uma brincadeira recorrente era observar o céu e encontrar formas nas nuvens e associar com animais, coisas e o que a imaginação permitia. E até hoje esse é um hábito, olhar para o céu e procurar formas (também tenho mania de somar os números das placas do carro, mas isso deixa pra lá rsrsrs).

Nesse fim de semana tive o privilégio de assistir o nascer do sol na praia. Que coisa magnífica. Como é linda a criação, como Deus tem bom gosto e coloca cores que combinam perfeitamente, superfícies que se completam. Tudo tem vida, se mexe, se expressa.

Mas, voltando às nuvens! Quando percebi, comecei a buscar formas nas nuvens daquele amanhecer tão lindo. As formas que identifiquei pareciam estar em posição de adoração e de receber o que o Pai amoroso renova todas as manhãs, sua misericórdia.

Eu vi o tamanho da reverência da criação. Foi lindo! Me senti conectado ao pai de amor, brinquei de ver formas nas nuvens e percebi o quanto dele tem em mim, afinal, criatividade é o meu maior “orgulho”. Posso dizer que essa herança é parte da genética do criador em mim. 

Aqui algumas fotos, convido você a brincar junto comigo nas busca por formas, quem sabe Deus mostra outras coisas a você.


​​

Advertisements

Deus abençoa a escolha de Rute

Resumindo grossamente, Rute é uma moabita que ficou viúva e mesmo sem perspectiva escolheu ficar com sua sogra e seu povo, ou seja, Rute escolheu ser estrangeira entre o povo de Deus.

Muitas coisas aprendo com a história de Rute, mas quero destacar um tema principal que está no capítulo 2 do livro com mesmo nome. A Proatividade e excelência de Rute.

Por um lado a sogra que até mudou o nome de Noemi para Mara, que quer dizer Amarga, do outro Rute que ao invés de se amargurar e lamentar foi em busca de trabalho, já que todos os homens da família haviam morrido. Assim ela foi recolher espigas.

Não era o melhor trabalho do mundo, aliás na minha cabeça seria o pior porque trabalhar o dia todo debaixo do sol não deve ser moleza, mesmo assim Rute o executou com garra e excelência. Como sei disso? Veja o versículo 7 do capítulo 2: “Ela me pediu que a deixasse recolher e juntar espigas entre os feixes, após os ceifeiros. Ela chegou cedo e está em pé até agora. Só sentou-se um pouco no abrigo”.” 

A excelência e garra de Rute despertou o interesse de Boaz (dono da terra e mais tarde ela vem a saber que ele era seu resgatador) que resultou em favor/bênção. Vejo isso no versículo 8-9 do capítulo 2:  Disse então Boaz a Rute: “Ouça bem, minha filha, não vá colher noutra lavoura, nem se afaste daqui. Fique com minhas servas. Preste atenção onde os homens estão ceifando, e vá atrás das moças que vão colher. Darei ordem aos rapazes para que não toquem em você. Quando tiver sede, beba da água dos potes que os rapazes encheram”.” 

A atitude de Rute me mostra algumas coisas:

  1. Nossa condição, não necessariamente dita nosso futuro. Ser fiel traz bênção e não maldição. Ela ficou viúva, sem perspectivas, poderia ter voltado para seu povo e sua terra, mas ainda assim escolheu cuidar de sua sogra e estar com o povo de Deus. “Rute, porém, respondeu: “Não insistas comigo que te deixe e que não mais te acompanhe. Aonde fores irei, onde ficares ficarei! O teu povo será o meu povo e o teu Deus será o meu Deus!” Rute 1:16 
  2. Mesmo em meio a dificuldades, ficar parado não é uma boa escolha. Nosso movimento nos aproxima da bênção de Deus. “Rute, a moabita, disse a Noemi: “Vou recolher espigas no campo daquele que me permitir”.Rute 2:2
  3. Quando temos a motivação correta, Deus coloca pessoas no nosso caminho que acabam sendo portas abertas. “Então ela foi e começou a recolher espigas atrás dos ceifeiros. Casualmente entrou justo na parte da plantação que pertencia a Boaz, que era do clã de Elimeleque.” Rute 2:3
  4. A excelência traz o favor de Deus e das pessoas. “Boaz respondeu: “Contaram-me tudo o que você tem feito por sua sogra, depois que você perdeu o seu marido: como deixou seu pai, sua mãe e sua terra natal para viver com um povo que você não conhecia bem. O SENHOR retribua a você o que você tem feito! Que seja ricamente recompensada pelo SENHOR, o Deus de Israel, sob cujas asas você veio buscar refúgio!”” Rute 2:11-12 

Termino dizendo a mim mesma: “não fique parada lamentando tudo o que dá errado na vida, seja proativa, se movimente porque Deus se movimentará e abrirá portas e trará favor.”

 

Sobre o Reino de Deus

Faz semanas que gostaria de escrever algo, mas não estava conseguindo sentar pra isso. Ainda bem, porque estava num processo de aprender na prática como funciona o Reino de Deus. Estava num processo de saber que uma vez que me entrego 100% nesse Reino, ele cria conexões, oportunidades que permitem viver e expressar esse Reino para qual fui chamada a viver.

Hoje, lendo Mateus 20 observei que Jesus fala sobre uma característica do Reino de Deus fazendo um contraponto com o Reino dos homens. Ele diz que os governantes das nações e poderosos dominam sobre o povo e pessoas e que no reino de Deus, aqueles que querem ser importantes ou que são importantes devem ser servos, porque foi o que Jesus fez, veio, serviu e ainda deu a vida por muitos. Em Mateus 25 ele também adverte sobre servir os pequeninos (aqui ele não está falando de crianças e sim dos que necessitam) como se estivesse fazendo pra ele próprio.

Enfim, não vai dar pra escrever tudo o que tenho aprendido sobre a dinâmica do Reino, mas quero falar sobre uma experiência que tive hoje e que expressa, o que acredito ser, conexões do reino para que os pequeninos sejam alcançados.

Resolvi fazer um limpa no meu ateliê, e quando isso acontece, muitas coisas vão pro lixo, outras são reutilizadas e outras doadas. Dentro dessas coisas doadas ofereci, na internet, retalhos de tecido. Num curto espaço de tempo, três pessoas me escreveram, dei preferência para a primeira, que não deu certo. Combinei com a segunda pessoa pra pegar em casa às 14h, ela teve um contra tempo e me ofereci para levar os tecidos em sua casa. Fui até lá! Pra minha surpresa os tecidos seriam utilizados para fazer colcha e coberta para pessoas que não tem como comprar. Fiquei tão feliz! Logo me veio em mente, isso são conexões do Reino. Uma vez que nos colocamos disponíveis para sermos usados como instrumento de expansão, Deus leva isso a sério e pessoas que nunca imaginaria conhecer, conheço, pessoas que nunca pensaria atingir, atinjo. Muitas coisas aconteceram nesse pequeno espaço de tempo entre resolver doar e efetivar a doação, primeiro a empatia imediata com a segunda pessoa interessada, o fato do carro dela quebrar e não poder vir até mim, eu mesma decidir levar depois de ter cogitado enviar meu filho. Uma apreensão sobre qual o destino de um descarte que pra mim era inútil, mas que sabia ser útil.

Talvez você esteja lendo e achando tudo isso uma feliz coincidência, mas para aqueles que decidem viver sua vida num Reino de paz, abundância e amor, coincidências não existem.

Que Deus abençoe abundantemente essa mulher e sua avó pelo trabalho que fazem.

Quanto a mim, que Deus continue me dando conexões do seu reino para que muitos sejam servidos através da minha vida. Estou feliz por ter saído de casa e ter encontrado pessoas referência de generosidade e amor ao próximo.

Deus é bom!

Deus é vivo e criativo

adrian-bonifacio-14787.jpg

Gênesis 1:27: “Criou Deus o homem à sua imagem, à imagem de Deus os criou; homem e mulher os criou”.

Dia desses estava na estrada, sozinha, dirigindo, observando e pensando.

Deus disse que fomos criados a sua imagem e semelhança. Dentre tantas características que Deus tem, a criatividade é uma das que mais me encanta.

Você deve estar se perguntando: “o que a estrada e a criatividade tem a ver com sermos a imagem e semelhança de Deus?”.  Eu respondo.

Deus criou muitas coisas lindas (eu e você inclusive), mas se você observar, tudo o que Deus criou tem vida. Tá, existem coisas inanimadas também, mas 99% das coisas tem vida, além disso Ele cria a partir de coisa alguma, enquanto criamos sempre a partir de algum material. Quando digo vida, é vida mesmo. As cores, as formas, as combinações, a interação com o clima, atmosfera e etc são simplesmente maravilhosos.

Por outro lado, como somos a imagem e semelhança de Deus, também somos criativos. Porém, tudo o que criamos são coisas mortas, lindas, mas mortas! A única coisa que geramos, que tem vida, são nossos filhos e essa, a Bíblia diz que é herança do Senhor!

Ok, mas o que a estrada tem a ver com isso? Imagina, a figura, dois “tapetes” (pistas) em cima da terra, um carro que anda em cima desse tapete, porém algo vivo (nós) dentro dentro desse carro, algo vivo embaixo desse tapete, a terra. Nos misturamos com Deus e sua criação a todo momento. A imagem é linda e entrelaça com o auge da criatividade. Os prédios, os carros, as cidades, nossos adornos são lindos também, mas só tem vida quando nos entrelaçamos com o criador/inventor perfeito.

Moral da história, Deus se revela a humanidade através de sua criatividade, sua criação é viva, porque Ele é um Deus vivo e os céus manifestam isso, as estações do ano manifestam isso.

Faça uma lista das coisas criadas por Deus (pra facilitar leia Gênesis 1) e uma lista com o que o homem cria. Você perceberá que a única coisa que geramos e tem vida é a herança de Deus pra nós, nossos filhos.

Observe mais ao seu redor, reconheça os Senhor em todos as coisas.

Algumas reflexões no evangelho de Marcos

Abaixo alguns insights que tive enquanto lia Marcos capítulos 1-3.

Marcos 1:21-28

HÁ PODER NO TESTEMUNHO!

Jesus entrou na sinagoga e começou a pregar, diz que todos ficaram admirados porque ele não pregava como os mestres da lei, Jesus pregava com AUTORIDADE, palavra essa que se repete no versículo 27, as pessoas se admiravam com o “novo” ensino, pois era feito com AUTORIDADE.

Nessa mesma reunião, Jesus livrou um homem de um espírito imundo. Fico pensando quanto tempo esse homem frequentou aquele lugar sem ser liberto.

A notícia sobre Jesus se espalhou rapidamente, não apenas pelo testemunho daquele homem, mas pelo testemunho dos que ouviram e se admiraram.

Logo depois ele curou a sogra de Pedro.

A notícia que já havia corrido por conta da libertação do espírito maligno, correu ainda mais depois da cura da sogra de Pedro.

Resultado dos testemunhos: muitos trouxeram doentes e endemoniado para serem curados e libertos por Jesus. Vidas tocadas e transformadas.

ENERGIAS RECARREGADAS

Depois de curar e libertar muitos, Jesus se retira para um lugar deserto para orar.

O que aprendo?

Atividade intensa faz parte de uma vida no Reino, porém é fundamental recarregar as energias, conectar com aquele que nos direciona e nos dá fôlego para a caminhada. Gastar tempo com o Pai é fundamental para o excesso de atividade não nos consumir e por vezes corromper, com Ele lembramos quem somos e para quem vivemos.

Aprendo também que qualquer pessoa que estuda pode ensinar bem, mas aquele que chega no coração é o que vem carregado de autoridade. Autoridade e não autoritarismo. Os testemunhos falam por si.

Marcos 3:1-6

Jesus faz uma pergunta interessante para os que estavam na sinagoga: “o que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar a vida ou matar?”.

Depois dessa pergunta, Jesus curou um homem, os fariseus ficaram furiosos porque qualquer atividade exercida no sábado ia contra a lei de Moisés, a narrativa diz que eles saíram da sinagoga conspirando o assassinato de Jesus.

O que percebi foi que na defesa de uma lei, eles estavam tramando quebrar outra. Aí fica a pergunta de Jesus, o que é mais importante fazer num sábado, salvar ou matar?

Marcos 3: 20-30

Fiquei meio que em choque quando percebi o que Jesus estava falando nesse trecho, Jesus chamou de blasfêmia ao Espírito Santo qualquer palavra que diga que é de Satanás algo que vem dele. A blasfêmia contra o Espírito Santo não tem a ver com “xingamentos” ou falas “incrédulas” somente, aqui ele fala para o “povo dele”, judeus que não reconheceram Jesus agindo por meio de Deus. Duvidar daquilo que Deus faz é blasfêmia!!!!

Paulo, quando fala sobre profecias nos orienta a examinar as profecias, mas muitas vezes usamos essa palavra de Paulo para julgar comportamentos. Examinar é colocar diante do Pai, no deserto e discernir o que reter ou não. Tratar como não sendo de Deus algo que é, pode ser fatal!

Perspectiva

Hoje ouvi um pequeno trecho de uma entrevista com o Todd White que explica exatamente a perspectiva que enxergo.

A cruz não é a revelação do meu pecado, mas a revelação do meu valor. Só se paga um alto preço por algo que se tem valor. Exemplo, não pagamos 300 mil por um corte de cabelo, mas pagamos por um apartamento. Ou seja, o pagamento revela o valor de algo. Se Jesus teve que pagar um preço tão alto, é porque o meu valor é alto. Deus me quer e Ele escolheu o meu valor!

Por isso declaro o Salmo 18 de Davi como se fosse meu:

“O Senhor é a minha rocha, a minha fortaleza e o meu libertador; o meu Deus é o meu rochedo, em quem me refugio. Ele é o meu escudo e o poder que me salva, a minha torre alta”

Boca fechada não entra mosquito

Muitas coisas aprendemos em provérbios e se formos espertos, observamos nossos pontos de gargalo e meditamos como sábios ao invés de tolos.

Sempre fui bocuda e queixo duro, do tipo que não leva desaforo pra casa. Com a desculpa de dizer a verdade, ofendia. Aí vocês podem pensar: “verdade é verdade” e eu digo “VERDADE” (risos), mas a duras penas e muitas vezes com o coração ofendido tenho aprendido que nem toda verdade é pra ser dita ou precisa ser dita, aprendi também que a verdade dita no momento certo tem mais efetividade do que a verdade fora de hora.

Salomão diz assim no livro de Provérbios:

“A palavra proferida no tempo certo é como frutas de ouro incrustadas numa escultura de prata. Como brinco de ouro e enfeite de ouro fino é a repreensão dada com sabedoria a quem se dispõe a ouvir” (Pv 25:11-12)

Outra coisa que tenho aprendido é que a verdade dita em amor e não no solavanco derruba muros ao invés de erguer. Com o tempo percebi que a maneira como comunicava erguia muros tão altos entre mim e quem estava ouvindo que nem metade da conversa chegava aos ouvidos, batia e voltava. E isso também aprendi com Salomão.

“Com muita paciência pode-se converter a autoridade, e a língua branda quebra até os ossos” (Pv 25:15)

E por último, percebi que tudo isso depende de uma única coisa, que aliás é difícil pra caramba, o DOMÍNIO PRÓPRIO. Dominar-se é uma arte e está ligado a todo o nosso corpo, principalmente a língua.

Essa tem sido uma caminhada de exercícios duros. Sempre acerto? Óbvio que não, mas com a graça de Jesus, levanto e ao invés de lamentar, sigo buscando derrubar muros ao invés de ergue-los.

“Como a cidade com seus muros derrubados, assim é quem não sabe dominar-se” (Pv 25:28)

Na dúvida tenha em mente que BOCA FECHADA NÃO ENTRA MOSQUITO